site-03.png

“É dever de todos prevenir a ocorrência de ameaça ou violação dos direitos da criança e do adolescente" 
(Art. 70 do Estatuto da Criança e do Adolescente)

A ocorrência de violência sexual infantojuvenil aumenta a cada dia mais, principalmente durante o período de carnaval, devido ao crescimento da movimentação de pessoas e do turismo sexual em nosso estado. Por esse motivo, informação e conhecimento são importantes para que possamos prevenir e proteger nossas crianças e adolescentes.

site-04.png

O que é Violência Sexual?

site-05.png

Como ela se manifesta?

site-06.png

Quais são os tipos?

site-07.png

Por que falar sobre isso?

site-08.png

Importante parceiro da causa

site-09.png

Dados e estatísticas

site-05.png

Como ela se manifesta?

•    Voyeurismo;
•    Pornografia;
•    Exibicionismo;
•    Telefonemas obscenos;
•    Conversas sobre sexo quando a criança não tem conhecimento para tal;
•    Carícias;
•    Manipulação da genitália, mama e ânus;
•    Ato sexual com ou sem penetração;
•    Beijo francês e contato oral-genital e oral-anal.

site-04.png

O que é Violência Sexual?

Todo ato ou jogo sexual, relação heterossexual ou homossexual cujo agressor esteja em estágio de desenvolvimento psicossexual mais adiantado que a criança ou o adolescente. Tem por intenção estimulá-la sexualmente ou utilizá-la para obter satisfação sexual. Estas práticas eróticas e sexuais são impostas à criança ou adolescente pela violência física, ameaças ou indução de sua vontade.

Considerada um grande problema de saúde pública e violação dos direitos fundamentais da criança e do adolescente.

 
 
site-06.png

Quais são os tipos de violência sexual

Abuso Sexual


O uso de crianças ou adolescentes por um adulto para a satisfação sexual, mas, apesar de ser um crime muito grave de violação aos direitos humanos, nele o agressor não visa remuneração ou o comércio sexual. Ocorre, em geral, quando a criança encontra-se a sós com o adulto na própria casa ou na casa de conhecidos, e pode ser classificado como intra-familiar ou extrafamiliar, dependendo se ocorre dentro ou fora do ambiente familiar.




Exploração Sexual


A exploração sexual comercial infantil é todo tipo de atividade em que as redes, usuários e pessoas usam o corpo de um menino, menina ou de adolescente para tirar vantagem ou proveito de caráter sexual com base numa relação de exploração comercial, de poder (LEAL, 1999).

Crianças e Adolescentes não podem ser consideradas em situação de “prostituição infantil”, mas sim em situação de exploração sexual. Não se pode remeter à ideia de sexo consensual com crianças e adolescentes. Há que se deixar bem claro que este público é vítima de violação dos seus direitos fundamentais




Grooming


Aliciamento de crianças e adolescentes através da Internet, com o intuito de se buscar benefícios sexuais.




Turismo Sexual


É a inclusão de exploração sexual comercial de crianças e adolescentes nos pacotes para turistas nacionais ou estrangeiros. Os exploradores promovem essas viagens porque encontram facilidades para a exploração infantojuvenil em hotéis, bares e clubes noturnos. As viagens de turismo sexual costumam ser organizadas de maneira informal entre amigos, mas há também casos de participação de agentes de viagem.




Pornografia Infantil


É a produção, exibição e comercialização de fotos, vídeos e desenhos das partes genitais ou de sexo explícito de crianças e adolescentes. A pornografia infantil é vendida por clubes de pedofilia, que reúnem pedófilos interessados não apenas em comprar as imagens, mas também em obter informações dos exploradores sexuais sobre como fazer turismo sexual infanto-juvenil ou tráfico de crianças e adolescentes para abuso sexual.




Sexisting


Refere-se a divulgação de conteúdos eróticos e sensuais de crianças e adolescentes através de celulares.




Tráfico para fins sexuais


É a prática que envolve cooptação e/ou aliciamento, rapto, intercâmbio, transferência e hospedagem da pessoa recrutada para essa finalidade





 
site-07.png

Por que falar sobre isso?

A realidade brasileira demonstra que a idade das crianças e dos adolescentes submetidos à exploração sexual está em torno de 10 e 19 anos.
 

As vítimas podem ser tanto do sexo feminino quanto do masculino, de todas as classes sociais e etnias. No entanto, a grande incidência ocorre entre as adolescentes mulheres, provenientes de classes populares vulneráveis economicamente, que vivem na periferia dos centros urbanos, nos garimpos e outros locais similares.
 

O perfil das mulheres e meninas exploradas sexualmente aponta para a exclusão social desse grupo. A maioria é de negras, vem de classes populares, tem baixa escolaridade, habita em espaços urbanos periféricos ou em municípios de baixo desenvolvimento socioeconômico. Muitas dessas adolescentes já sofreram inclusive algum tipo de violência intrafamiliar ou extrafamiliar.

site-08.png

Importante parceiro da causa

Os homens são importantes agentes na prevenção à violência e da cultura de paz . Eles também são capazes de cuidar e não apenas de delegar o cuidado.

Envolver os homens no cuidado é ajudá-los a desenvolver conexões profundas e significativas com outras pessoas, possibilitando seu bem-estar e felicidade. Além disso, trata-se de permitir que homens, mulheres e crianças atinjam o seu potencial máximo e que haja equidade de gênero, tornando-se este um grande instrumento para a redução dos níveis de violência contra meninas e mulheres.
 

 
 
site-09.png

Dados e estatísticas

FONTE: Dique 100 - 2019

47

crianças são vítimas de abuso sexual

por dia

70%

do abuso sexual  acontece na própria casa da criança

90%

dos casos de abuso sexual não são denunciados

FONTE: Anuário Brasileiro de Segurança Pública - 2018

66.041

casos de violência sexual registrados

em 2018

53,8%

envolvendo meninas de até 13 anos de idade

4/hora

meninas de até 13 anos são estupradas por hora

Agora você tem informações que aumentam a sua compreensão para realizar uma denúncia. Não fique de fora dessa.

Quebre o silêncio. Disque 100!