top of page

FIQUE POR DENTRO DAS

NOVIDADES

Gerência de programa da FIA visita núcleos de atendimentos às crianças e adolescentes vítimas de violência em SG e Niterói

Ação teve o propósito de alinhar a construção de dados, informações e procedimentos técnicos dos núcleos, que registraram cerca de 600 atendimentos às vítimas de violência no primeiro trimestre (2024)


Cartazes em combate ao abuso e exploração sexual confeccionados por crianças e adolescentes em oficina no NACA-SG


A Gerência do Programa de Atenção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Violência (NACA) da Fundação para Infância e  Adolescência (FIA) realizou uma visita técnica, na quinta-feira (25), aos núcleos de atendimentos em Niterói e São Gonçalo, ambos administrados pelo Movimento de Mulheres em São Gonçalo (MMSG).


As visitas foram mediadas pela gestora do MMSG, Marisa Chaves, e pelas coordenadoras dos Núcleos de Atendimento à Criança e ao Adolescente Vítimas de Violência (NACAs) em SG e Niterói, respectivamente, Lívia Gaspary e Susana Natal. Participaram da ação a gerente do Programa NACA/FIA, Danielle Gimenez, e os coordenadores técnicos Monique Albuquerque e Edson Campos.


Pela manhã, a equipe da FIA visitou as instalações em Niterói e São Gonçalo, acompanhou uma atividade pedagógica realizada com crianças e adolescentes vítimas de violência e, à tarde, organizou uma reunião de alinhamento entre integrantes dos núcleos com pautas aludindo a padronização da construção de dados, o preenchimento de tabelas estatísticas e a implementação de novos procedimentos técnicos.


SG e Niterói são referências na elaboração dos relatórios 


A gerente Danielle Gimenez elogiou as instalações dos núcleos em Niterói e São Gonçalo e o trabalho preventivo de acolhimento às crianças e adolescentes vítimas. Gimenez ressaltou os resultados obtidos pelas duas unidades no combate às violências domésticas e sexuais, destacando, sobretudo, a eficiência na elaboração dos relatórios técnicos, que são fundamentais para o funcionamento da rede de garantias de direitos e na prisão dos alegados autores dos crimes.

“Essa visita tem o propósito de garantir o compartilhamento de objetivos comuns das equipes, e o entendimento de seus papéis e responsabilidades. A ação busca promover a eficiência, a colaboração e a coesão do grupo, levando melhores resultados. Consideramos o trabalho dos NACAs administrados pelo MMSG como referência no estado. Além de profissionais capacitados, o diferencial da entidade é o comprometimento e a seriedade na elaboração dos relatórios técnicos, que, em muito contribuem para os encaminhamentos às instituições competentes e na garantia de direitos”, enfatizou Gimenez. 

Alinhamento do fluxo de trabalho


Já a coordenadora técnica Monique Albuquerque enfatizou a importância da visita para fazer um alinhamento dos fluxos de trabalho dos 21 NACAs que atuam em todo o Estado do Rio. “Visitamos os núcleos Niterói e São Gonçalo com o intuito de reunir as equipes e fazer uma capacitação continuada em relação aos instrumentais que são usados nos NACAs, sejam  os executados pela FIA como os conveniados. A ideia é  padronizar as tabelas mensais de atendimentos e alinhar os fluxos de trabalho realizados pelos técnicos”, explica a coordenadora. “Estamos aqui, também, para trocarmos informações e recebermos sugestões para o aprimoramento das atividades”, complementou o coordenador Edson Campos.     



Gerente do NACA/FIA Danielle Gimenez (Esquerda) durante reunião com equipes dos núcleos de São Gonçalo e Niterói


Importância da ‘escuta qualificada’ 


Durante a reunião, Marisa Chaves agradeceu a presença da equipe da coordenação técnica da FIA e falou da importância dos NACAs no acolhimento e atendimento às vítimas e, sobretudo, na escuta qualificada, profissional e ética.


“Sou suspeita em falar da minha equipe, pois sei da capacidade e excelência na execução das atividades. Contudo, no âmbito dos NACAs, destaco o trabalho da escuta qualificada durante o atendimento às vítimas. Isso faz toda a diferença, pois, é um suporte para elaboração dos relatórios técnicos”, reiterou Chaves, que falou sobre a essencialidade dos núcleos para garantia de direitos e o empenho da FIA, que, há muitos anos, vem tendo um papel fundamental na manutenção dos NACAs. “Sempre quando cito os NACAs, faço questão de falar sobre a parceria com a FIA por ser uma instituição que respeito”, complementa.

Crianças e adolescentes participam de ‘oficina de cartazes’


Pela manhã, os coordenadores da FIA acompanharam a realização de uma atividade pedagógica, organizada pela equipe técnica do NACA(SG), denominada ‘Oficina de Cartazes’, que fazia alusão à campanha do próximo dia 18 de maio sobre o ‘Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes’.


Monitorados pelos técnicos, crianças e adolescentes confeccionaram os cartazes com frases sobre prevenção e combate aos crimes. A ação foi precedida por rodas de conversas, que também tiveram a participação de familiares das vítimas.


“Nossa proposta é orientar e incentivar o protagonismo dessas crianças e adolescentes para que possam ter a capacidade de defesa, proteção e prevenção em qualquer situação de violência. E também, para se tornarem multiplicadores dessas informações e ajudarem outras crianças”, explicou a psicopedagoga Elisabeth Lourenço.


Crianças e adolescentes relataram e expressaram suas experiências fazendo cartazes em combate à violência e abusos


Frases sobre prevenção à violência e emoção nos relatos    

               

Durante a oficina de cartazes, um dos momentos de emoção foi os relatos das crianças, adolescentes e familiares. “Aprendi muita coisa nessa roda de conversa. Com certeza serei um pai mais presente e darei maior atenção às minhas filhas”, disse um dos pais. “Fico emocionada quando vejo um pai acompanhar e ouvir seus filhos. Me sinto mais preparada para enfrentar as violências” , relatou uma adolescente. “Chega de abuso e violência. Fui vítima, mas me sinto forte para ajudar outras crianças”, relatou outra criança.


“Estou há muitos anos nessa temática, combatendo as violências, mas, hoje, fiquei emocionada com esses relatos. Lidamos com papéis e relatórios, mas quando ouvimos essas crianças e adolescentes, independente da nossa experiência, ficamos sensibilizados”, disse Marisa Chaves.       

      

Em SG e Niterói foram registrados cerca de 600 atendimentos    

  

Em São Gonçalo e Niterói, os núcleos de Atendimentos à Criança e ao Adolescente Vítimas de Violência (NACAs) registraram cerca de 600 atendimentos às vítimas de supostos abusos sexuais e violências domésticas (incluindo crianças e adolescentes), entre janeiro a março (2024). No mesmo período, foram contabilizados 135 novos casos em São Gonçalo, e outros 10, na unidade Niterói, que também atende demandas oriundas dos municípios de Itaboraí, Maricá, Rio Bonito e Tanguá.


Em São Gonçalo, nos primeiros atendimentos, realizados entre janeiro e março, foram constatados os seguintes casos de violências: 91(sexual), 32 (psicológica), 20 (física) e 3 (negligência). A região com maior incidência de casos foi o Jardim Catarina, com 30 registros. No NACA (Niterói) foram registrados 8 casos na cidade sede, 1 em Maricá e 1 em Itaboraí. Sendo 9 registros de violência sexuais, 3 psicológicas e 1 física. Vale ressaltar que, em alguns casos envolvendo crianças e adolescentes, foram constatados e contabilizados mais de um tipo de violência. (Fonte: NACA- SG/Niterói). 


“Os Nacas SG e Niterói, juntos, superaram a meta mensal de atendimentos  e já têm uma lista de espera. Cada dupla de técnicos (assistente social e psicólogo) atende 40 casos/mês. Recebemos demandas de toda a rede de garantias de direitos e somos reconhecidos pela excelência e qualidade nos atendimentos e na elaboração de relatórios. Esperamos que os próximos convênios contemplem investimentos maiores para aumentarmos o quantitativo de profissionais e darmos conta das novas demandas”, disse Lívia Gaspary, coordenadora do NACA/SG. “A imparcialidade dos relatórios e a escuta especializada têm sido diferenciais dos núcleos. Por conta disso, em Niterói, a adesão das famílias tem aumentado”, finalizou Susana Natal, que coordena, há 10 anos, o NACA-Niterói.

 

   


Comments


bottom of page